Vendas do comércio de Ribeirão Preto caem pelo 17º mês consecutivo

Vetor : freepik.com
Vetor : freepik.com

As vendas do comércio varejista de Ribeirão Preto apresentaram uma queda de -4,07 em abril de 2016, na comparação com o mesmo período do ano passado, quando a variação foi de -2,05%. Esse é o décimo sétimo mês consecutivo com registro de quedas, é o que aponta a pesquisa Movimento do Comércio, realizada mensalmente pelo SINCOVARP – Sindicato do Comércio Varejista de Ribeirão Preto e região. Entre as empresas entrevistadas, 60,4% declararam que as vendas de abril de 2016 foram inferiores as do mesmo mês do ano passado enquanto, 22,9%, consideraram o contrário e, para 16,7%, foram equivalentes nos dois períodos.

Setorial – Entre os setores, as quedas foram generalizadas. O pior resultado foi apresentado por Vestuário (–7,25%), seguido por Presentes (–6,14%), Livraria/Papelaria (–5,77%), Cine/Foto, (–4,85%), Eletrodomésticos (–4,75%), Móveis (–2,60%), Tecidos/Enxoval (–2,41%), Ótica (–2,36%) e Calçados (– 0,50%).

Emprego – Em abril de 2016, a pesquisa apurou uma redução média de – 0,87% no número de postos de trabalho. Entre as empresas consultadas, 89,6% mantiveram o número de funcionários, enquanto 10,4% declararam ter demitido e nenhuma contratou. Os setores com mais demissões e suas respectivas reduções nos quadros funcionais foram: Eletrodomésticos (-2,22%), Vestuário (–2,08), Calçados (–2,00%) e Livraria/Papelaria (–1,49%).

Análise – Segundo Marcelo Bosi Rodrigues, economista do SINCOVARP e responsável pela pesquisa, o mês de abril foi extremamente conturbado na área política do país, com um processo de impeachment que se arrasta e adia a tomada de decisões importantes no que se refere às políticas públicas do Brasil. “Esse cenário traz uma aura de incerteza que mantem a economia em compasso de espera, sem que empresários tomem decisões de investimentos e consumidores decisões de compras. Enquanto o impasse político não for solucionado e uma coesão política não for encontrada, a tendência é a economia ficar estagnada”, comenta.

 

Fonte: Núcleo da Notícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *