Masp completa 70 anos

Reportagem : Marli Moreira – Repórter da Agência Brasil

Masp, o Museu de Arte de São Paulo
Foto: Agência Brasil

Criado, em 1947, pelo empresário e jornalista brasileiro Assis Chateaubriand com a ajuda do crítico e jornalista italiano, Pietro Maria Bardi, o Masp reúne vasto acervo, em torno de 8 mil itens que inclui esculturas, gravuras e óleo sobre tela nacionais e estrangeiros com peças confeccionadas desde a antiguidade (século IV a.C.) até o período atual.

 

Lá podem ser vistos entre outros clássicos da Escola Italiana de Arte como as obras de Rafael, Bellini, Andrea Mantegna e Ticiano; as pinturas de Nattier com retratos das filhas de Luiz XV e as de Renoir, Monet, Manet, Cézanne, Toulouse-Lautrec, além de obras de Van Gogh, Gauguin e Modigliani.

Ao lado destes, destacam-se os artistas brasileiros Almeida Junior, Candido Portinari, Anita Malfatti, Victor Brecheret e Flávio de Carvalho.

Símbolo arquitetônico

Durante os primeiros anos, o Masp ocupou um espaço bem mais acanhado do que o atual, dividido em quatro andares do prédio da Rua 7 de Abril, sede dos Diários Associados, um conglomerado de imprensa fundado por Chateaubriand.

Vinte e um anos depois, o museu ganhou novo endereço, em local bem mais amplo com 11 mil metros quadros, na Avenida Paulista. Na festa de inauguração, em 2 de outubro de 1968, compareceram figuras importantes do cenário nacional e internacional entre as quais a rainha Elizabeth II. Foi um revolucionário traçado arquitetônico de Lina Bo Bardi, esposa de Pietro Maria Bardi.

Nesse mesmo ano, o país atingiu o ápice da rebeldia do pensar contra a ditadura militar.

Além da estética, a obra de Bo Bardi era a representação da ousadia. O novo prédio causava impacto, parecendo uma caixa suspensa no ar, sustentado apenas por quatro grandes pilares e duas vigas. Com formato retangular, cercado por vidros, reúne cinco pavimentos entre o subsolo e o último andar e tem um vão-livre em frente à Avenida Paulista, de 74 metros quadrados.

O local tornou-se ponto de encontro para grandes manifestações populares e sedia também eventos como feiras, apresentações musicais e a largada da tradicional corrida internacional de São Silvestre.

O edifício foi tombado, em 1982, pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado (Condephaat) e, em 2003, pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *