Laboratório da Bahia identifica dispersão de variantes mais agressivas da Covid-19 no estado

O Laboratório Central de Saúde Pública Professor Gonçalo Muniz (Lacen-BA) detectou 21 linhagens do Sars-CoV-2 na Bahia. Foram sequenciados 225 genomas completos em pacientes residentes de 88 municípios baianos. O trabalho vem sendo realizado há oito meses, as amostras apontaram um risco aumentado para internação e rápido agravamento do quadro clínico de pacientes infectados.

Entre as linhagens estão oito cepas e três variantes de atenção apontadas pelo Ministério da Saúde: a P.1 (Manaus), P.2 (Rio de Janeiro) e B.1.1.7 (Reino Unido).

Segundo a diretora do Lacen, Arabela Melo, o trabalho de vigilância é importante para mapear a circulação de variantes mais perigosas do vírus, alertando a população. “Essas cepas de atenção são informadas à população, aos estados e aos países por se tratar inicialmente da suspeita de que elas tenham maior transmissibilidade ou talvez ainda uma maior agressividade, capacidade maior de infectar os indivíduos”, afirmou.

Todas as amostras avaliadas eram de pacientes com sintomas clínicos característicos como: dificuldade de respirar, cansaço, Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) ou pneumonia, bem como eram casos suspeitos de reinfecção e óbitos.

O professor de epidemiologia da Universidade de Brasília (UnB), Wildo Navegantes de Araújo, avalia que o sequenciamento favorece o entendimento da ação do vírus até para que os gestores possam pensar em políticas públicas. “É muito estratégico entender ferramentas como a biologia molecular e o sequenciamento genético, onde a gente conhece a estrutura do vírus, da bactéria ou de qualquer outro micro-organismo. É estratégico para apoiar e tomar decisões do ponto de vista da gestão de saúde pública, da gestão de uma emergência de saúde pública, ou ainda, também do científico”, afirmou.

O Lacen-BA se tornou referência nacional para fazer o sequenciamento genético de amostras da Bahia e de outros cinco estados. Para a Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab), os dados sugerem que a mobilidade humana representa um fator crucial para a dispersão do vírus e das novas variantes, que são o resultado de suas múltiplas mutações.

As propagandas duras e impactantes sobre o risco de transmissão da Covid-19 realizadas pelo governo do estado, sobretudo nas festas de fim de ano, ficaram conhecidas por todo o país. Com os dados do sequenciamento as autoridades de saúde reforçaram que o uso de máscara, distanciamento social e higiene frequente das mãos continuam sendo as medidas mais eficazes no combate ao coronavírus.

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *