Fiscalização interdita 23 estabelecimentos no Rio

No Rio de Janeiro, foram aplicadas 120 multas a estabelecimentos e feitas ao menos 23 interdições por descumprimento das regras de combate ao novo coronavírus (covid-19). O balanço parcial divulgado hoje (7) pela prefeitura refere-se às autuações feitas entre as 17h de sexta-feira (5) e 7h deste domingo.

Ao todo, foram registradas, nesse período, 963 autuações. As ações são realizadas pela Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop), juntamente com a Guarda Municipal e o Instituto de Vigilância Sanitária (Ivisa) e contam com o apoio da Polícia Militar.

Somente entre a tarde de sábado (6) e a madrugada deste domingo, outro balanço mostra que a Guarda Municipal fechou 42 estabelecimentos flagrados funcionando fora do horário permitido. Essa operação resultou ainda na aplicação de 421 multas de trânsito por diversas irregularidades, entre elas o estacionamento na calçada, em local proibido ou em fila dupla.

Na avaliação do secretário de Ordem Pública, Brenno Carnevale, o balanço até o momento é positivo. “Seguimos com uma avaliação bem positiva das ações de fiscalização. Sábado é um dia costumeiramente de lazer e praia para os moradores do Rio, mas mesmo assim quase não tivemos registros de aglomerações. Agradecemos a conscientização da maior parte da população, entre eles, donos de estabelecimentos e quiosques. As fiscalizações continuarão constantes para que o cenário siga positivo”, disse em nota.

Na sexta-feira entrou em vigor o decreto da prefeitura que torna mais rígidas as medidas de distanciamento social e a fiscalização realizada na cidade. Entre as medidas, está a proibição de permanência de pessoas em vias e áreas públicas das 23h às 5h. Também foi decretado que bares, lanchonetes e restaurantes devem fechar, para atendimento presencial, a partir das 17h.

As medidas foram tomadas, de acordo com a prefeitura, devido ao agravamento simultâneo em todo o país de diversos indicadores, como o crescimento do número de casos, de óbitos, a manutenção de níveis altos de incidência de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), alta positividade de testes e a sobrecarga de hospitais.

 

Fonte: EBC

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *