Festas juninas movimentam comércio de Ribeirão Preto

Diversidade de produtos vão desde os acessórios de vestuários aos tradicionais doces de amendoim

capa-festa-junina
vetor:freepik.com

Com a chegada de junho e das celebrações em homenagem aos santos Antônio, João e Pedro, a população se prepara para as tradicionais festas juninas. A decoração típica colorida com balões e bandeirinhas de papéis, fogueiras e fogos de artifícios alegram e aquecem os dias mais frios da temporada. A corrida em busca dos acessórios já teve início no comércio de Ribeirão Preto (SP). “Os lojistas estão preparados e oferecem bons preços e qualidade diferenciada nos produtos típicos que incluem decoração, vestuário e alimentação”, comenta Paulo César Garcia Lopes, presidente do SINCOVARP (Sindicato do Comércio Varejista de Ribeirão Preto e região).

Lopes explica que os itens mais procurados são bandeirinhas, balões decorativos, chapéus de palha e roupas típicas. “O vestuário infantil é o mais vendido dessa categoria, com destaque para a procura por camisas xadrezes e calças jeans para os adultos. Os doces, como pés de moleques e paçocas industrializadas, são muito solicitados pelos promotores de eventos. O comércio está de portas abertas para atender o importante público que valoriza as nossas tradições populares”, ressalta.

Curiosidades sobre as festas juninas – A festividade teve origem na Idade Média na celebração dos chamados Santos Populares (Santo Antônio, São Pedro e São João) e é até hoje, muito valorizada principalmente no norte da Europa e em diversas regiões do mundo.

Acessório importante da festa, as fogueiras são parte da antiga tradição pagã europeia de celebrar o solstício de verão (momento em que o Sol, durante seu movimento aparente na esfera celeste, atinge a maior declinação em latitude, medida a partir da linha do equador). A fogueira do dia de Midsummer (25 de junho) tornou-se, pouco a pouco, na Idade Média, um atributo da festa de São João Batista, o santo celebrado nessa data. Já os balões e fogos de artifício foram trazidos pelos portugueses para o Brasil. Os fogos, segundo a tradição popular, servem para despertar São João. Na antiguidade, os balões eram utilizados para avisar que a festa iria começar, mas hoje é uma prática proibida por lei no Brasil, devido ao risco de incêndio e mortes.

A tradicional quadrilha tem o seu nome originário de uma dança de salão francesa para quatro pares, a quadrille, em evidência na França entre o início do século XIX e a Primeira Guerra Mundial. A quadrille francesa era um desenvolvimento da contredanse, popular nos meios aristocráticos franceses do século XVIII. A quadrille chegou ao Brasil seguindo o interesse da classe média e das elites portuguesas e brasileiras do século XIX, por tudo que fosse a última moda de Paris.

 

Texto e Fonte: Felipe Teruel | Núcleo da Notícia

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *